Conformidade Legal é Suficiente para a Sustentabilidade Ambiental da sua Empresa?

Falamos sobre a compreensão do uso da energia elétrica, da água e dos insumos e como melhorar o seu uso básico promovendo oportunidades de poupança dentro da empresa ou instalação. De como a energia, a água e os insumos emergiram como uma questão chave para estratégias em pequenas e médias empresas. Mostramos que numerosas empresas estão encontrando maneiras de aumentar as receitas através da criação de produtos que usam menos água ou por reduzir a dependência dela pelos cliente.Destacamos também a importância de se avaliar as emissões e oportunidades de mitigação. Reduzir as emissões faz muito sentido, e inclui a saúde dos funcionários, aumento da produtividade, maior eficiência das práticas de negócios além de ajudar a proporcionar um ambiente de trabalho mais limpo e saudável.Evidenciamos como o envolvimento das partes interessadas, os conhecidos stakeholders, pode ajudar a impulsionar a reputação e a inovação da marca, bem como a melhorar a satisfação dos clientes e dos funcionários. As exigências de transparência dos investidores, dos consumidores e dos clientes, combinadas com mercados incertos e uma paisagem em mudança, influenciam a forma como as empresas operam e prosperam. Propusemos algumas etapas principais para começar a se envolver com as partes interessadas e abraçar oportunidades para apoiar seu trabalho.E assim muitas perguntas e questionamentos por parte dos leitores foram chegando até mim, sendo que uma delas se destacou e virou o tema de nosso artigo de hoje:

“Se eu cumprir apenas a conformidade legal, minha empresa pode se enquadrar como ambientalmente sustentável?”

À medida que o foco global na sustentabilidade se intensifica, as empresas enfrentam uma crescente variedade de novas restrições e regulamentações sobre os materiais que usam, os subprodutos e/ou resíduos que produzem, a segurança de suas instalações e outros aspectos de suas operações. Essas restrições, voluntárias ou involuntárias, vêm de diversas iniciativas da indústria e de organizações governamentais e não governamentais, bem como de consumidores. No Brasil, violações de leis ambientais podem resultar em sanções criminais, administrativas e civis, além do marketing negativo e perda de receita que advém tanto das perdas no processo produtivo como da má reputação da marca.

Mesmo em países desenvolvidos com programas regulatórios bem estabelecidos, a plena conformidade com as regulamentações ambientais é uma meta desafiadora. Alcançar e manter o cumprimento das leis ambientais pode parecer e ser assustador para algumas empresas. Mas a necessidade de conformidade nunca foi tão grande. Curiosamente, o cumprimento legal por si só já não é visto como o último jogo do campeonato por muitas empresas, e só isso não garante que se ganhe o campeonato. Um número crescente de empresas descobriu que com um foco dedicado é possível ir além da conformidade legal e que isso pode produzir benefícios financeiros tangíveis, tais como inovação de produtos, custos mais baixos e qualidade do produto melhorada. A reputação de responsabilidade ambiental também pode ser um distintivo de boa cidadania corporativa, produzindo marketing positivo e benefícios de relações públicas.

Mas é o início de todo processo para uma “certificação verde”.Pergunte a si mesmo quais áreas da sua empresa estão cobertas por legislação, regulamentos e normas obrigatórias nos níveis internacional, nacional e estadual e quais códigos voluntários, padrões e iniciativas estão emergindo como chaves para sua indústria e em seus mercados. Em seguida, o próximo passo é adotar medidas importantes que segurem a conformidade e avançar para a sustentabilidade real.Saiba como seus produtos são feitos, concentrando-se especialmente em seus principais materiais e processos. Se você não sabe a composição de seus produtos, você não está em posição de provar que eles não contêm substâncias restritas, regulamentadas ou controversas. Conheça e controle quem faz seus produtos. A sua empresa é responsável pela conformidade dos seus produtos. Um elo fraco ou uma substituição não autorizada em sua cadeia de suprimentos, doméstica ou global, podem tornar o seu produto não conforme ou exposto a compromissos.Planeje com antecedência para alcançar conformidade e melhorar a sustentabilidade dentro de seu negócio. Reagir ao cumprimento ou oportunidades de sustentabilidade em vez de planejar aumenta os custos para sua organização, e dessa forma a preservação ambiental se torna vilã. Além disso, agindo reativamente e não proativamente você pode estar exposto à multas e perda de acesso ao mercado. É preciso desenvolver um plano de contingência e praticá-lo. Novos requisitos podem surgir inesperadamente de mercados novos e existentes. É essencial estar preparado para gerenciá-los eficazmente como uma organização, se esperado ou não.As expectativas de conformidade ambiental e social dos consumidores e “stakeholders” aumentam juntamente com a renda per capita. Isso significa que as economias emergentes estão cada vez mais promulgando e aplicando suas próprias regulamentações ambientais. Mantenha-se no topo do clima regulatório e preste muita atenção ao ativismo do consumidor em seu nicho de atuação. Esteja ciente de novas e propostas de regulamentos e tendências que podem afetar seu negócio. Junte-se a sua associação da indústria e participe.Ao ficar em cima dos acontecimentos regulatórios, bem como tendências “hot-button” em seu setor, você vai garantir melhor conformidade e irá começar a caminhar para a sustentabilidade. Se bem feito, você encontrará maneiras interessantes de ir além da conformidade, em direção à inovação e diferenciação.

Artigo por: Renata Pifer
Engenheira Agrônoma, Mestre em Engenharia Sanitária, há 20 anos atuando como Palestrante e Consultora em Sustentabilidade e Gestão Ambiental em empresas públicas e privadas. Executive and Business Coach, Consultora e Analista Comportamental. Trainer.
Fonte: http://cetecambiental.eco.br/2017/01/23/conformidade-legal-e-suficiente-para-que-haja-sustentabilidade-ambiental/

No Comments Yet.

Leave a comment